UEMS/CG abre curso de português para refugiados e imigrantes com parceria da Sedhast

A Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) de Campo Grande está oferecendo um curso de Língua Portuguesa como Língua de Acolhimento da para refugiados e imigrantes em situação de vulnerabilidade. O objetivo é ajudar os estrangeiros que necessitem aprender a língua portuguesa para melhor se inserirem na sociedade e no mercado de trabalho.

As inscrições vão até dia 19 de junho, quando começa o curso, e podem ser realizadas na Casa de Assistência Social e Cidadania (CASC), ligada à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), onde também será realizado esse módulo do curso. Para se inscrever, o refugiado ou imigrante deverá apresentar o passaporte, CPF (se tiver), uma foto 3×4 e o endereço completo. “Nesse primeiro momento estaremos fazendo o módulo de acolhimento, recebendo esses refugiados e imigrantes. Estaremos ensinando o básico para a comunicação em nosso país. Em seguida teremos outros módulos com mais aprofundamento na Língua Portuguesa, que serão realizados na UEMS”, explica o coordenador do NEPPE, professor doutor João Fábio Sanches.

O Neppe é um projeto originário da UNB e essa é a primeira vez que será executado em outra Universidade. Na UNB, mais de setecentos estrangeiros são atendidos por ano pelo Núcleo. Na UEMS, o curso é desenvolvido pelo Núcleo de Ensino e Pesquisa em Português para Estrangeiros (NEPPE/UEMS) e o Projeto de Extensão “UEMS ACOLHE – Língua, Cultura e Acolhimento em Contexto de Imigração e Refúgio”, com apoio da SEDHAST.

Outras informações sobre o NEPPE na página  http://www.neppe.unb.br/br/instituicao/equipe-neppe ou diretamente com o professor João Fábio, pelo endereço joaofabio@uems.br.

Para mais informações sobre as inscrições, os refugiados ou imigrantes podem ligar no telefone 3321-3228/3382-9788 ou mandar email para  acolhimentouems@gmail.com. A Casa de Assistência Social e Cidadania (CASC) fica na Rua Marechal Cândido Mariano, 713, Centro de Campo Grande.

Texto: Emmanuelly Castro – UEMS